Insira seu email

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Prefeitura e Ministério do Turismo discutem hospedagem alternativa


Representantes dos setores imobiliários, hoteleiro e de bares e restaurantes da Capital se reuniram na manhã desta terça-feira (06) com o secretário nacional de Políticas do Turismo do Ministério do Turismo, Vinicius Lummertz. O secretário municipal de Turismo, Marcus Fabricio, também participou do encontro, que teve o objetivo de articular soluções para o fomento de oferta de hospedagem alternativa para o período de Copa do Mundo em Cuiabá. 


“A capital mato-grossense vai receber cerca de 42 mil visitantes durante a realização dos jogos. Ainda há um déficit de quase 8 mil leitos em Cuiabá e é importante o empenho de gestores públicos e empresários para alcançarmos uma solução eficiente. Vamos mostrar ao mundo a genuína hospitalidade brasileira”, disse Vinicius Lummertz. 

O secretário nacional explicou ainda que o Ministério do Turismo constatou que será grande o volume de turistas “mochileiros”, que procuram se instalar em locais alternativos e mais baratos, como camping, albergues ou casas que cedem quarto para locação. 

“Só no jogo entre Chile e Austrália, 52% dos torcedores serão daquelas nacionalidades e apenas 22% torcedores locais. Fora do Brasil é comum a modalidade ‘cama e café’, onde o turista se hospeda em residências”, afirmou. 

Marcus Fabrício explicou que a Prefeitura realizou o levantamento de áreas para camping, que irão oferecer mais de 2,3 mil leitos para este público. 

“São chácaras e áreas próprias para camping, com infraestrutura para atender aos turistas. Cuiabá estará preparada para receber muito bem todos os visitantes”, avaliou. Ele destacou ainda que a oferta destas vagas será anunciada na próxima semana. 

Segundo a corretora imobiliária e empresária Rosa Sartor Grando, os turistas também podem contar com o aluguel temporário de imóveis. “Isso ainda é uma novidade em Cuiabá, mas a procura tanto para oferecer a casa, como para alugar está aumentando cada vez mais. Hoje tenho uma carteira de 100 residências que podem hospedar de 700 a 750 pessoas”, ressaltou. (Ana Assumpção/Secom)